Streaming puxa receitas da indústria de entretenimento

   Os serviços de streaming tiveram crescimento de 27% em 2018, chegando à incrível marca de 613 milhões de assinaturas. Os dados são da Motion Picture Association of America (MPAA), que representa os grandes estúdios de Hollywood. Na comparação com 2017, o setor como um todo teve expansão de 9%, atingindo faturamento de US$ 96,8 bilhões.

Esse seria o valor somado dos gastos de todos os consumidores na compra de ingressos de cinema, DVDs, discos Blu-ray, downloads e assinaturas para streaming de vídeo. A pesquisa revela que a venda de discos caiu 14%, enquanto a de mídias online subiu 34%.

Outro dado desse estudo é que, pela primeira vez, os serviços online pagos superaram as assinaturas de cabo e satélite: foram 131,2 milhões de novos assinantes em 2018 (27% a mais que em 2017), enquanto as operadoras perderam 2%. Apesar desses números, a MPAA lembra que os serviços de TV paga ainda respondem pela maior parte das receitas, com crescimento de US$ 6,2 bilhões no ano passado, totalizando US$ 118 bilhões.

A entidade informou também que cada vez mais usuários preferem ver conteúdos de TV, incluindo séries, em vez de filmes. Os dados anteriores são de 2014, quando foram registradas 71 bilhões de transações envolvendo vídeos, o que inclui episódios de séries, telefilmes, shows e programas de TV no formato SVoD (demanda por assinatura), contra 5,4 bilhões de filmes online. Já em 2018, esses números saltaram para 170,6 bilhões e 11,5 bilhões, respectivamente.

Para mais detalhes sobre o estudo da MPAA, clique aqui.

FONTE: The Verge

Temas relacionados:

Do rádio ao streaming: 100 anos de História do Áudio

Música on line: comparamos os principais serviços de streaming

NET/Claro também oferecem Netflix

Miniamplificador da AAT faz streaming sem fio

Facebook
Facebook
YouTube
YouTube
Instagram
LINKEDIN

htbest