Teste: projetor Epson UST a laser para home theater

Por equipe Home Theater & Casa Digital*

Este é o primeiro projetor Epson a laser para home theater do tipo Ultra Short-Throw (UST), categoria inicialmente pensada para aplicações educacionais e de negócios. E um dos poucos que utilizam a tecnologia de 3 chips LCD (quase todos os projetores desse tipo usam chip DLP). Com resolução de 1.920×1.200 pixels, a lente fixa desse projetor propicia abertura de até 130” a menos de 50cm da parede.

Diante de uma tela de 100” em nossa sala, o aparelho exigiu somente 25cm de distância, um feito incrível se imaginarmos que um convencional necessita de no mínimo 3m para projetar o mesmo tamanho de imagem. Diferente do Casio XJ-UT310WN, outro UST testado três anos atrás (veja o vídeo), o Epson LS100 é dedicado à reprodução de filmes e séries.

Discreto em ambiente escuro, seu gabinete preto fosco é robusto, por isso não seria má ideia mantê-lo embutido em um rack apropriadamente desenhado. Os botões de operação situam-se na lateral direita do aparelho, assim como o de foco, “escondido” dentro do compartimento de filtro de ar, enquanto os conectores foram posicionados do lado esquerdo. 

CONEXÕES

São três HDMI, onde conectamos Blu-ray player, receptor de TV paga e media streaming; dois USB, para conteúdos multimídia e atualização de firmware; e uma entrada LAN, para comandar o projetor via rede ou sistema de automação. Esse terminal, se conectado a um ponto de acesso Wi-Fi, possibilita receber conteúdos de tablets e smartphones com o app iProjection. Um dongle USB-Wi-Fi é vendido à parte.

Há também um alto-falante embutido com saída de 16W e um pequeno controle remoto, que em nada lembra aquele acessório parrudo e iluminado dos projetores mais caros da marca.

INSTALAÇÃO COM AJUSTES ELETRÔNICOS

Projetores de ultra-curta distância geralmente não possuem controles de posicionamento de lente (lens shift) e zoom óptico. Em vez disso, encontramos ajustes digitais de zoom, deslocamento de imagem e de keystone, para correção do efeito trapézio vertical e horizontal, arcos laterais e QUICK CORNER (ajuste dos quatro cantos da imagem).

O ideal é nunca recorrer a regulagens digitais de enquadramento, ou usar o mínimo possível, e evitar perdas de definição, distorções e aquela margem luminosa que pode incomodar algumas pessoas. A resolução nativa do LS100 é UXGA, de 1.920×1.200 pixels, que gera formato 16:10, comum em exibições corporativas e comerciais.

Ao reproduzir originalmente imagens Full HD (1.920×1.080p), o projetor aumenta a proporção de altura. Para reduzir ou eliminar a pequena margem formada, há modos de relação de aspecto que preenchem a tela, embora com ligeiros cortes ou distorção (imagem esticada). Preferimos sempre preservar o sinal nativo com sua relação de aspecto e resolução originais.

TECNOLOGIA A LASER

Tendência no segmento de projetores UST, o dispositivo óptico a laser (veja mais sobre essa tecnologia) do LS100 tem vida útil estimada de 20 mil horas, em operação normal, condicionada à intensidade de brilho, que atinge 4.000 lumens; a Epson utiliza a especificação de luminosidade em dois níveis: branco e luz colorida.

Ou seja, o LS100 pode ser utilizado com sua plena potência luminosa por quase 14 anos, se ligado durante quatro horas por dia, sem necessidade de manutenção constante. Projetores com fonte de luz fria (laser) podem ficar em nicho vazado, pois aquecem bem menos que os modelos com lâmpada.

AVALIAÇÃO

Em nossa sala de testes, pudemos assistir a vários programas do SporTV (via NET HD), como partidas de futebol, tênis e corrida de Fórmula 1, até mesmo durante o dia. Ao contrário de outros projetores, o modo DINÂMICO no Epson LS100 serve a qualquer tipo de conteúdo, não torna a imagem excessivamente esverdeada nem as cores demasiadamente saturadas.

Se puder controlar a iluminação da sala, a opção BRILHO DE CINEMA é capaz de combinar tonalidades vivas e um contraste interessante. Este foi o modo que mais usamos, em especial com Vingadores (Blu-ray) e a série La Casa de Papel (Netflix). Quanto melhor a qualidade do sinal, mais a imagem se apresentava com clareza, contornos afiados e sem ruídos perceptíveis.

Outra vantagem de projetores sem lâmpada é o tempo instantâneo de inicialização. O LS100 leva somente quatro segundos para ligar. Surpreendeu a luminosidade desse projetor, que por vezes parecia fazer da tela de projeção um grande televisor. Já nas sessões noturnas e com os presets CINEMA e JOGOS, assistimos às mesmas cenas com um olhar mais crítico no contraste.

Com exceção do modo CINEMA, os demais exigem operação mais veloz da ventoinha, cujo ruído pode incomodar durante um filme com trilha calma. Não por acaso, existem quatro opções de operação, incluindo SILENCIOSO, que equivale ao modo ECO, limita o brilho a 2.800 lumens e é razoavelmente confortável.

Mesmo após configurar contraste, gamma e brilho, a qualidade do preto ficou abaixo dos últimos projetores Epson avaliados pela equipe, mas foi possível notar sutilezas em sombras e um nível de preto bastante satisfatório. Destaque ainda para os recursos FREEZE, que congela a imagem, e SPLIT, divide a tela com duas fontes simultâneas.

GALERIA DE IMAGENS

FICHA TÉCNICA

 

MODELO: projetor Epson Home Cinema LS100
TECNOLOGIA: 3LCD com fonte de luz a laser
RESOLUÇÃO NATIVA: 1.920×1.200p (UXGA)
BRILHO: 4.000 lumens (luz branca e de cor)
ABERTURA DE TELA: 70” a 130”
DIMENSÕES (L x A x P): 49  17 x 43cm
PESO: 11kg
VIDA ÚTIL: 20 mil horas modo normal, 30 mil horas modo econômico
RUÍDO: 38dB normal, 27dB eco
CONSUMO: 448W normal, 348W eco
GARANTIA: 3 anos
PREÇO: sob consulta
FABRICANTE:
www.epson.com.br


* Teste realizado pela equipe da revista HOME THEATER & CASA DIGITAL, sob coordenação de Alex dos Santos. Veja também avaliações dos projetores Epson 4K Enhancement, como Pro Cinema LS1000 e Home Cinema 5040UB.

Facebook
Facebook
YouTube
YouTube
Instagram
LINKEDIN

htbest